Faça o download do
eBook Temas Atuais

A
qui você encontra vários estudos Bíblicos sobre temas atuais como: Clonagem humana, AIDS, Divórcio, Evolucionismo, etc.
Para acessar outros assuntos use as setas abaixo.
MENU INICIAL
ESTUDO ANTERIOR PRÓXIMO ESTUDO

Divórcio - O que Jesus disse sobre o divórcio.


O que o Senhor Jesus disse a respeito do divórcio?

Baseadas nos textos de Mateus 19:3-12; Marcos 10:2-12; Lucas 116:18):

• Porque os fariseus tinham dúvidas sobre o divórcio e experimentaram Jesus perguntando se era lícito... se Moisés permitiu é porque foi Deus quem ordenou a Moisés. Ou os fariseus não concordavam com Moisés?

• Porque Jesus diz que o que Deus ajuntou não separe o homem? Quem é esse homem que Jesus se refere? Será que é o profeta Moisés que permitiu o divórcio? Com essa resposta Jesus quis dizer que o casamento é indissolúvel?

• Porque afirma Jesus em Mateus 19:3-12... Se Moisés permitiu o divórcio, porque Jesus não?

• Em Mateus 19:9 Jesus permite o divórcio em caso de relações ilícitas. O que são relações ilícitas? Em outra versão diz que o divórcio é permitido em caso de fornicação. O que é fornicação?

• Se a separação foi por outro motivo e se o homem ou mulher passar a viver juntos com outra pessoa, eles estão em adultério?

• Se caso um era solteiro e outro casado e passam a viver juntos, quem está em adultério?

Estas perguntas são muito interessantes e merecem estudo e reflexão.

O objetivo dos fariseus ao experimentar Jesus era “arranjar um motivo pelo qual pudessem acusar a Jesus” para poder matá-lo. Eles queriam que o Senhor Jesus ‘tropeçasse’ na interpretação da lei, pois assim, teriam “com o que” acusa-lo. Eles estavam a um bom tempo tentando fazer isto, mas não conseguiam.

Jesus disse que nunca foi o propósito de Deus que o casal se separasse. Ele apoiou seu ensino com os versos Bíblicos de Gênesis 1:27; 5:2 e 2:24.

O detalhe é que os fariseus não aceitavam esta interpretação, pois não entenderam o verdadeiro significado da “permissão de Moisés acerca do divórcio”. Vejamos:

A orientação de Moisés está registrada em Deuteronômio e é mencionada também em Mateus:
“Se um homem tomar uma mulher e se casar com ela, e se ela não for agradável aos seus olhos, por ter ele achado coisa indecente nela, e se ele lhe lavrar um termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir de casa; e se ela, saindo da sua casa, for e se casar com outro homem; e se este a aborrecer, e lhe lavrar termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir da sua casa ou se este último homem, que a tomou para si por mulher, vier a morrer, então, seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a desposá-la para que seja sua mulher, depois que foi contaminada, pois é abominação perante o SENHOR; assim, não farás pecar a terra que o SENHOR, teu Deus, te dá por herança”. (Deuteronômio 24:1-4).

“Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio”. (Mateus 5:31).
Analisando o contexto externo do texto (histórico, cultural, etc), iremos ver que Jesus não estava em conflito com Moisés.

Nunca foi parte do plano original de Deus; ele “foi aprovado transitoriamente na lei de Moisés devido a “dureza” do coração dos homens (cap. 19: 7-8)” .

“Deve destacar-se que a lei de Moisés não instruiu o divórcio. Por ordem divina, Moisés tolerou o divórcio e o regulamentou a fim de evitar abusos” .

As mulheres não tinham direitos; e, para protegê-las, Deus permitiu que Moisés criasse esta lei, a fim de que as mulheres tivessem uma nova chance.

Qual era a natureza e o propósito da lei de Moisés no que diz respeito ao divórcio? Texto base: Dt 24:1-4.

Vejamos o que diz o seguinte comentário bíblico:

*Coisa indecente.
Literalmente, "desnudes"; figuradamente, como aqui: "algo vergonhoso", "uma desonra". Não podia tratar-se de adultério, porque isto devia ser castigado com a morte (Deut. 22: 22; cf. Mat. 19: 9). Devia tratar-se de alguma maneira de atuar considerada imprópria pelo marido. Os judeus entendiam que este preceito mosaico permitia a um homem divorciar-se de sua mulher quase por qualquer motivo (Mat. 19: 3, 7). Sem obstáculos, Cristo explicou que não era a vontade de Deus que se obtivesse tão facilmente o divórcio (Mat. 19: 4-6), e que esta legislação só havia sido dada por causa da "dureza" dos corações deles (Mat. 19: 8).

*Carta de divórcio.
Literalmente, "uma nota de separação".

*Lhe entregará.

Isto devia fazer-se formalmente, provavelmente perante testemunhas, a fim de que tivesse validez legal e fosse incontestável .

*A despedirá.
Novamente um ato formal. Provavelmente o esposo estava obrigado a despedi-la provida, pelo menos, com os meios suficientes como para chegar bem até a casa de seu pai (Gén. 21: 14; cf. Deut. 15: 13).

*Poderá ir.
Sua partida formal era um anúncio público de que já não era mais a esposa desse homem e que por tanto estava livre para casar-se de novo. A "nota de separação" ou "nota de corte" dissolvia por completo o matrimônio.
A consumação do matrimônio com um segundo marido a tornava "vil" para o primeiro. Se alguma vez ele tornava a toma-la por mulher, cometia adultério. Ela lhe era ilícita como esposa (ver Jer. 3: 1).

*Perverter a terra.
... Se bem que Deus tolerou algumas coisas as quais certamente não podia dar sua aprovação, havia limites mais além dos quais o homem não podia passar. Muitas vezes a "terra" aparece personificada, como si pudesse atuar e sentir (ver Lev. 18: 25; Isa.24:5).

Algumas pessoas hoje se referem a Deut. 24:1-4 como base do que chamam "divórcio cristão". Porém, na realidade, estes versículos nos revelam a vida doméstica dos judeus, na qual ao tomar uma esposa equivalia a adquirir uma propriedade. A autoridade do esposo sobre sua mulher era quase absoluta. O propósito da lei aqui enunciada era melhorar a sorte da mulher hebréia. Esta lei, longe de estabelecer uma baixa norma moral, ou de aprovar uma norma tal, representava uma norma muito mais elevada que a reconhecida pelos cruéis costumes daquele tempo.

A lei garantia à mulher divorciada certos direitos, e na realidade a protegia de ser considerada adúltera ou rejeitada pela sociedade. Deixava a casa de seu primeiro marido como mulher livre e respeitada pela sociedade, apta para contrair um matrimônio honroso.

A carta de divórcio estabelecia que seu primeiro esposo já não tinha mais jurisdição legal sobre ela e que ela não tinha nenhum tipo de obrigação para com ele, senão que estava livre para ser esposa de outro homem. Ao voltar a casar, não se fazia culpada de adultério, nem se violavam os direitos de seu primeiro marido.

A lei mosaica sobre o divórcio não foi dada para anular os ideais do matrimônio instituído por Deus na criação, senão a causa da "dureza" dos corações humanos (Mat. 19: 8). A sorte de uma mulher só e desprezada era deplorável. A carta de divórcio aliviava seu infortúnio. Esta lei simplesmente reconhecia a situação existente e buscava melhora-la. Esta era uma lei de permissão, e não de obrigação. Estas mesmas restrições tinham por objetivo eliminar o fácil processo de divórcio que evidentemente os hebreus haviam aprendido em sua associação com os povos pagãos.

Cristo falou enfaticamente contra o conceito de ter uma esposa como propriedade (Mat. 5: 27-32; 19: 3-9). Essa prática havia acarretado muita desgraça e injustiça às mulheres judias. A escola de Hillel, que sustentava a filosofia religiosa popular judia nos tempos de Cristo, interpretava como "coisa indecente" (Deut. 24: 1) qualquer coisa que lhe resultara desagradável ao marido. A escola de Shammai, mais estrita e menos popular, definia como "coisa indecente" algum ato comprovado de falta de pudor ou adultério. Nos tempos de Cristo, a escola de Hillel permitia o divórcio por pequenas coisas como a exibição do braço de uma mulher em público, ou que a esposa queimasse a comida de seu marido, ou quando o esposo encontrava outra mulher mais atraente. Desta atitude escreveu Josefo: "O que deseja divorciar-se de sua mulher por qualquer coisa (e muitas causas tais se dão entre os homens), que dê por escrito a certeza de que nunca mais a usará como sua mulher, porque assim ela estará livre de casar-se com outro marido, se bem que antes de dar-se esta carta de divorcio, não deve permitir-se-lhe faze-lo" (Antiguidades, iv. 8. 23).

A lei de Deut. 24: 1-4 não instruiu o divórcio, senão que o tolerou em vista das imperfeições da natureza humana e aos baixos conceitos morais do povo de deus nesse tempo. Para conhecer a opinião de Deus a respeito do matrimônio é preciso não se deter em Deut. 24: 1-4, senão, como o fizera Jesus, hoje se remontar a Gen. 1: 27 e 2: 24 (Mat. 5: 27-32; 19: 3-9). O conselho escrito por Moisés para a gente de seus dias deve interpretar-se à luz dos costumes de sua época, e não da nossa, e sempre tendo em vista o ideal divino. Uma vez mais Cristo elevou à vista dos homens esse divino ideal ordenado no Éden. Esse primeiro matrimônio nos proporciona o modelo dado por Deus para seu povo de hoje.

Em Mateus 19:9 Jesus permite o divórcio em caso de relações ilícitas. O que é relações ilícitas? Em outra versão diz que o divórcio é permitido em caso de fornicação. O que é fornicação?
Relações sexuais ilícitas é a toda prática sexual ilícita, ou seja, que não é conforme o plano de Deus. Neste verso, refere-se especificamente ao “adultério”.
Na outra versão bíblica, (Versão Figueiredo), há a expressão “fornicação” ao invés de “adultério”. Por que?

A palavra grega que aparece em Mateus 19:9 para “adultério” no original é porneia (porneia) Esta palavra pode ser traduzida por diferentes palavras, tais como:

- Adultério;
- Fornicação;
- Homossexualismo;
- Lesbianismo;
- Bestialidade.
- Etc.


Tanto uma quanto a outra está correta; mas, de acordo com o contexto do verso, “porneia” é melhor traduzida por “adultério”, ou seja, “relações sexuais ilícitas”.
Fornicação é “o ato sexual praticado fora do casamento”.

Se a separação foi por outro motivo e se o homem ou mulher passar a viver juntos com outra pessoa, eles estão em adultério?
Sim. A pessoa ao separar-se por qualquer motivo e casar-se com alguém, comete adultério.
Isto não quer dizer que Deus não possa ajudar tal casal; Ele tem o desejo de ajudar a todos estes casais que não estão ainda com sua situação conjugal acertada.
É importantíssimo que o casal recorra a Deus a fim de ter solucionado sua situação.

Se caso um era solteiro e outro casado e passam a viver juntos, quem está em adultério?
Os dois estão adulterando, pois “ambos estão envolvidos na prática sexual errada”.

Leandro S. de Quadros.
Instrutor Bíblico – Conselheiro Espiritual


ACESSE ABAIXO OUTROS ESTUDOS DE TEMAS ATUAIS

A Volta de Jesus
Adolescentes
AIDS / Câncer
Anjos - Existem? Qual sua função?
Alma e Espírito - Qual a diferença?
Arca de Noé - Verdade ou ficção?
Casamento - Como manter?
Casamento - As dez áreas críticas do casamento.
Clone de seres humanos - Sob o ponto de vista Bíblico.
Dança - Devem os Cristãos dançar?
Deus - Evidências da existência de Deus.
Dinossauros - Criação de Deus ou do Diabo?
Disney - Desenhos da Disney estimulam sexo e violência?
Divórcio - Como ficam os filhos?
Divórcio - Jesus e o divórcio?
Dízimo - Origem e propósito?
Evolucionismo - Darwin e a farsa.
Fé e Obras - A fé anula a Lei?
Halloween - Dia das bruxas.
Harry Potter - Magias e Satanismo.
Homossexualismo - À Luz de Rm 1:26-27
Imagens e Gravuras - É certo a utilização de gravuras Bíblicas?
Inferno - Existe um inferno de fogo?
Jogo de cartas - Jogo diabólico?
Jóias - O que a Bíblia diz sobre o uso?
Parábola do Rico e Lázaro
Páscoa - Qual o verdadeiro significado?
Perdão Divino
Porque tantas denominações?
Pornografia na internet - Qual o perigo para os cristãos?
Sábado - Porque Jesus curava nos Sábados?
Sexo - A Bíblia condena o sexo oral e anal?
Suicídio - Quem comete está condenado?
Tatuagens e piercing
Trindade - Entendendo a Divindade
Vinho - Que tipo de vinho Jesus usou na Santa Ceia?


Programas Evangelicos
Mensagens Evangelicas