Clique para saber mais!!!
Mensagens Que elevam ao Céu !! Programas Evangelicos


MENU INICIAL
ESTUDO ANTERIOR PRÓXIMO ESTUDO

Capítulo 12 - Os últimos sete reis. Parte I


"Me levou em Espírito ao deserto, e vi a uma mulher sentada sobre uma besta escarlata cheia de nomes de blasfemia, que tinha sete cabeças e dez chifres. . . »Isto, para a mente que tem sabedoria: As sete cabeças são sete montes sobre os quais se assenta a mulher, e são sete reis. Cinco deles caíram; um é e o outro ainda não veio, e quando vir deverá durar pouco tempo. A besta que era e não é, é também o oitavo, e é um dos sete e vai à perdição" (Apocalipse 17:3, 9-11).

No tema anterior aprendemos que as cabeças da besta representam os sete montes onde a Igreja Romana tem assentada sua sede mundial. No presente tema nos deteremos na principal interpretação que delas faz esta profecia: "e são sete reis" (vers. 10).
Desde um ponto de vista geral estes reis são uma clara evidência do poder civil da Igreja. No entanto, é significativo o fato de que a profecia lhe atribua a cada rei uma personalidade diferente e que afirme que estes têm de reinar em seqüência. A identidade individual dos sete reis descritos nesta passagem foi objeto de análise por parte dos eruditos e estudiosos das profecias bíblicas por mais de cem anos, mas infortunadamente não se conseguiram conciliar seus diferentes pontos de vista. Stephen Bohr, por exemplo, crê que estes sete reis são sete impérios ou uniões de impérios que se sucederam em seqüência através da história: Babilonia, Medo-Persia, Grécia, Roma, Reinos Europeus, Papado fase 1 e Papado fase 2. [a] Antolín Diestre Gil faz uma identificação similar mas com algumas mudanças: Babilonia, Medo-Persia, Grécia, Roma, Papado, França revolucionária e Estados Unidos.[b] Outros três expositores: Loron Wade, Edgar Round e Mervyn Maxwell coincidem com a identificação que o anterior faz das primeiras cinco cabeças, mas crêem que a sexta e sétima cabeças poderiam ser, respectivamente, os Estados Unidos e a tríplice aliança,[c] ou o Comunismo e o Papado Restaurado,[d] ou o Papado com ferida de morte e o Papado recuperado.[e] 
Mervyn Maxwell, o último dos expositores citados, menciona, também, a possibilidade de que a listagem comece com Egito em lugar de iniciar com Babilonia, dando como resultado a seguinte seqüência: Egito, Asiria, Babilonia, Medo-Persia, Grécia, Roma e o Papado.[f]  D. Waterhouse, apóia este último ponto de vista mas crê que os dois últimos se fusionam na sexta cabeça e que a sétima se refere à segunda fase do papado.[g] 
Existem outros expositores que, entendendo as sete cabeças como símbolo de totalidade e plenitude, não crêem que estas representam sete nações particulares senão que são símbolo de toda a oposição política ao povo e à causa de Deus através da história.[h] 
Para terminar nossa listagem de aplicações, cabe mencionar dois pontos de vista que rompem com o esquema usado por todos os anteriores: O primeiro, exposto por Marvin Moore, assegura que as sete cabeças são uma coligação futura de religiões mundiais;[i] e o segundo, citado por Maxwell em seu livro, afirma que são "uma sucessão de sete papas do tempo do fim, como cabeças da igreja romana".[j] 
O seguinte quadro resume os pontos de vista anteriormente expostos:
Cabeça 1.
Cabeça 2.
Cabeça 3.
Cabeça 4.
Cabeça 5.
Cabeça 6.
Cabeça 7.
Bohr
Babilonia
Medo-
Persia
Grécia
Roma
Reinos europeus
Papado I
Papado II
Diestre
Babilonia
Medo-
Persia
Grécia
Roma
Papado I
França
Estados Unidos
Wade
Babilonia
Medo-
Persia
Grécia
Roma
Papado I
Estados Unidos
Tríplice Aliança
Redondo
Babilonia
Medo-
Persia
Grécia
Roma
Papado I
Comu-
nismo
Papado II
Maxwell
Babilonia
Medo-
Persia
Grécia
Roma
Papado I
Papado ferido
Papado II
Maxwell
Egito
Asiria
Babilonia
Medo-
Persia
Grécia
Roma
Papado I
e II
Waterhouse
Egito
Asiria
Babilonia
Medo-
Persia
Grécia
Roma pagã e papal I
Papado II
CBA (?)
Toda a oposição política à causa de Deus através da história
Moore
Coligação futura de religiões mundiais.
(?)
Sete papas do tempo do fim.

Devido à diversidade de pensamentos e à ausência de provas contundentes que aprovem ou recusem as respectivas aplicações desta profecia, a Organização da Igreja Adventista, optou por tomar a seguinte posição ao respeito:

"Em vista de que a Inspiração não indicou se deve entender-se que as sete cabeças representam sete nações particulares e não especificou nenhum momento desde o qual devem calcular-se, este Comentário considera que a evidência é insuficiente para garantir uma identificação dogmática delas... a interpretação da mensagem básica do capítulo felizmente não depende da identificação das sete cabeças".[k] 
Em resumidas contas, a Igreja Adventista do Sétimo Dia não tem nenhuma posição oficial com respeito à identidade dos reis ou reinos mencionados nesta profecia e toda explicação apresentada é simplesmente o pessoal ponto de vista de cada expositor. Isto significa que se alguma destas aplicações falham (o qual é possível pois todos não podem ter razão ao mesmo tempo), a ideologia de nossa denominação, não se verá comprometida, pois estas são e serão, responsabilidade exclusiva de cada autor. Faço ênfase especial nisto, pois muitas pessoas poderiam fazer mal uso de alguma das declarações que apresentarei a partir do presente capítulo.
Durante os últimos anos dediquei muito tempo a avaliar as diferentes aplicações que se fizeram da profecia das sete cabeças e, para minha surpresa, consegui comprovar que a que mais parece ajustar-se à realidade bíblica, é a que identifica às sete cabeças com sete papas do tempo do fim. Devo confessar que num começo manifestei certa rejeição ao respeito, devido a que muitos dos que sustentavam esta posição, tinham-se apartado do método historicista [l]  de exposição profética; mas ao estudar por minha própria conta, encontrei que esta idéia pode aplicar-se perfeitamente sem incorrer neste problema.
Ellen G. White [m] afirmou numa ocasião que é necessário ser muito cuidadosos à hora de receber tudo o que é chamado nova luz,[n] mas que não por isso devemos olhar com acusadora suspeita todo novo ponto de vista, pois ainda há na Bíblia algumas coisas que não foram plenamente reveladas, as quais serão aclaradas à medida que o povo de Deus as vá precisando.[ou] Como ela mesma disse: "Brilhará luz acrecentada sobre todas as grandes verdades da profecia , e serão compreendidas com frescura e brilhantismo, porque os radiantes raios do Sol de justiça alumiarão todo o conjunto".[p] 
Pessoalmente, creio que a aplicação que identifica às cabeças com sete papas faz parte desta nova luz prometida e creio que está destinada a alumiar-nos o caminho para que possamos discernir quão perto se encontra a segunda vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. No entanto, desejo deixar claro que esta aplicação foi descartada por alguns de meus dirigentes, em especial pelo pastor Stephen Bohr,[q]  a quem admiro e respeito por tudo o que aprendi através de seu ministério nos últimos anos . Por esta razão não pretendo ser dogmático nem afirmar que esta exposição está 100% livre de erros, e tudo o que apresentarei a seguir é só minha opinião pessoal a respeito desta profecia, a qual ainda sustento, devido a que encontrei na Palavra de Deus, dois poderosos argumentos, que me motivaram a manter minha posição:
1. Os sete montes de Apocalipses 17 não são o símbolo mas o real significado.
2. Uma besta representa a um único império e as cabeças representam aos reis ou reinos surgidos dele.
Analisemos estes dois pontos em detalhe.
1 . Os sete montes de Apocalipses 17 não são o símbolo mas o real significado.
A seguinte declaração, apresentada por Mervyn Maxwell, explica a principal razão pela qual se entendeu que as sete cabeças são sete reinos mundiais:
"As sete cabeças são sete colinas [montes] sobre as que se assenta a mulher (Apocalipse 17:9)... Em Jeremías 51:24,25 e em Daniel 2:35 , 44, 45 uma `montanha' ou `monte' é um símbolo de um reino ou uma nação. Se recordamos isto, uma das mais singelas das muitas interpretações desta charada considera as sete cabeças como sete poderes perseguidores que se teriam manifestado desde o momento quando João estava escrevendo o Apocalipse".[r] 
As passagens citadas por Maxwell declaram, sem lugar a dúvidas, que um monte é símbolo de um reino, pois estes aplicam ao império Babilônico a expressão "monte destruidor" e ao reino de Deus "um grande monte que encheu toda a terra". E ainda que é claro que esta interpretação é bíblica e perfeitamente aplicável, é necessário ter em conta (como disse no capítulo anterior), que é pouco provável que no caso das cabeças de Apocalipses 17 esta regra possa aplicar-se, pois ali os montes não são o símbolo senão o real significado. O profeta inspirado escreveu: "As sete cabeças são sete montes..." (Apocalipse 17:9) e já vimos que os sete montes sobre as quais está assentada a cidade sede da Igreja Católica são: Palatina, Capitolina, Quirinal, Viminal, Esquilina, Celia e Aventina.[s]  Conhecendo o significado atribuído pela Escritura e seu exato cumprimento, não considero apropriado reinterpretá-lo como nações.
2  . Uma besta representa a um único império e as cabeças representam aos reis ou reinos surgidos dele.
Para compreender este princípio é necessário que repassemos uma das profecias do livro de Daniel:
"Depois, eu seguia olhando e vi outra besta, como um leopardo com quatro asas de ave em seu dorso; a besta tinha quatro cabeças; e se lhe deu o domínio" (Daniel 7:6. BJ).
Quando analisamos esta passagem pudemos comprovar que esta besta representava ao império da Grécia e que suas quatro cabeças eram símbolo de quatro reis que se repartiram o Império à morte de Alejandro Magno.[t]   Esta interpretação foi possível graças à explicação dada na profecia paralela de Daniel 8:
"O bode peludo é o rei de Grécia, e o chifre grande que tinha entre seus olhos é o rei primeiro. Quanto ao chifre que foi quebrado e sucederam quatro em seu lugar, significa que quatro reinos se levantarão dessa nação, ainda que não com a força dele" (Daniel 8:21,22).
Observe que a passagem fala de um chifre grande que é o "rei primeiro" e depois fala de outros quatro chifres que surgem em seu lugar; isto é, quatro reis que iam ter seu próprio território ao dividir o Império Grego em quatro reinos. Os nomes destes reis foram: Casandro, Lisímaco, Seleuco e Tolomeo.[ou]  Isto é uma clara evidência de que as cabeças de uma besta não podem representar a outros reinos diferentes ao império simbolizado pela besta que as leva, senão que devem representar reis ou reinos (sub-reinos) que surgem de um mesmo império. Se aplicamos este princípio à besta semelhante a um leopardo de Apocalipse 13 e 17, é evidente que como esta representa ao Papado, suas sete cabeças devem representar a sete reis ou reinos católico-romanos. Este fato é amplamente confirmado pelo anjo que explicou a visão ao apóstolo João com as palavras: "As sete cabeças são sete montes sobre os quais se assenta a mulher, e são sete reis..." (Apocalipse 17:9-10).
E quem são os reis que governam sobre o império católico-romano? Leiamos:
"O papado representa o governo supremo da Igreja Católica, cuja sede está em Roma". "Vaticano... Chefe de Estado: o Papa ".[v] 
Como poderá você dar-se conta, o Papa, além de sua posição religiosa, é também Chefe de Estado (rei de sua própria nação), e governa da mesma maneira que qualquer outro monarca ou presidente do mundo.
Outro ponto a favor desta aplicação das sete cabeças é que estes reis não reinam todos ao mesmo tempo (como no caso de Grécia), senão que o fazem tal como o fazem os papas, um depois de outro:
"E são sete reis. Cinco deles caíram; um é e o outro ainda não veio, e quando vir deverá durar pouco tempo" (Apocalipse 17:10).

Tendo em conta a localização geográfica desde onde estes reis governam (os sete morros de Roma) e a descrição da forma em que governam (sucessão vitalícia, um depois do outro), vendo não ter lugar a dúvidas de que aqui se está falando realmente de sete papas. Quem são? Desde quando devem contar-se? A segunda parte deste tema responderá estas perguntas.

Clique para ir a segunda parte.


Clique "Voltar" ou "Back" na sua barra de navegação ou pressione a letra respectiva, para voltar ao parágrafo que ou enviou aqui.  

 [a] Profecias 2000, tema "A prostituta e suas filhas". Conferência apresentada o 6 de março de 1999 na igreja Adventista de Palermo, Bogotá, Colômbia.
 [b] O sentido da história e a palavra profética, volume 2, págs. 540-552, Clie.
 [c] O futuro do Mundo Revelado no Apocalipse, pág. 210 , APIA.
 [d] Toda a verdade a respeito das sete pragas postreras, pág.22 , Série Novo Milênio.
 [e] Deus revela o futuro, tomo 2  , págs. 472-473 , APIA.
 [f] Ide, pág. 471
 . [g] O dragão aquático de Apocalipse 17 . Idéia apresentada e ampliada por Stephen Bohr em seu compêndio de estudos proféticos, pág. 83
 . [h] Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia (CBA), tomo 7, pág. 867. ACES  (O Comentário não apóia esta aplicação, só a menciona).
 [i] O Desafio do tempo final, pág. 216, APIA.
 [j] Cita publicada em 1989 por Mervyn Maxwell em Deus Revela o Futuro, Tomo 2, pág. 471, APIA (O autor não apóia esta aplicação, só a menciona). Este ponto de vista foi apoiado recentemente, entre outros, pelo pastor Hugo Gambetta.
 [k] Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, tomo 7, pág. 868. ACES.
 [l] Método que explica o cumprimento das profecias através do curso da história (passado, presente e futuro) sem deixar espaços de tempo soltos ou aplicados antojadizamente.
 [m] Elena G. White (1827-1915) Esta mulher nascida em Estados Unidos foi para os adventistas uma de suas mais importantes dirigentes. Escreveu 37 livros e depois de sua morte se publicaram outros 32 com declarações encontradas em artigos de jornal e em material inédito. Seus livros se venderam por milhões e se traduziram a mais de cem idiomas. Seus numerosos escritos são considerados como voz oficial de nossa denominação.
 [n] Mensagens Seletas, tomo 1, pág. 187
 . [ou] O Outro Poder (Counsels to Writers and Editors), págs. 33-51; O Conflito dos séculos, pág. 392
 . [p] O Evangelismo, pág. 148. Se você é dirigente adventista sirva-se ler, ademais, as seguintes passagens: Obreiros Evangélicos, págs. 315-319; Conselhos sobre a Escola Sabatina, págs. 33-36 e Mensagens Seletas, tomo 3, pág. 441
 . [q] Grupos Dissidentes. Conferência apresentada o 2 de março de 1999 na igreja Adventista de Palermo, Bogotá, Colômbia. Seu ponto de vista com respeito às sete cabeças está registrado ao começo deste mesmo capítulo.
 [r] Deus Revela o Futuro, Tomo 2, pág. 471, APIA.
 [s] Comentário Bíblico Adventista, tomo 7, art. Morros, pág. 868
 . [t] Ver o tema "Leopardo de quatro cabeças" no Capítulo 3 deste livro.
 [ou] Dicionário  Enciclopédico Terranova, art. "Grécia", pág. 692
 . [v] Ide, art. "Papa", pág. 1083; art. "Vaticano", pág. 1461.


Acesse aqui os demais capítulos deste livro

Capítulo 1. Sinais da vinda de Cristo Capítulo 8. Duas fases significativas
Capítulo 2. Seguindo o rastro Capítulo 9. Os Estados Unidos na profecia. Parte I
Capítulo 3. Quem é a besta? Parte I Capítulo 10. Os Estados Unidos na profecia. Parte II - Novo
Capítulo 4. Quem é a besta? Parte II Capítulo 11. A Última Babilônia - Novo
Capítulo 5. Da luz para as trevas Capítulo 12. Os últimos sete reis. Parte I - Novo
Capítulo 6. Nasce um império temido Capítulo 13. Os últimos sete reis. Parte II - Novo
Capítulo 7. O mais grave ataque Capítulo 14. A Batalha do Armagedom - Novo

Clique para saber mais!!!
Mensagens Que elevam ao Céu !! Programas Evangelicos


PÁGINA INICIAL

121014 - 2001/2014©JesusVoltara.com.br